Ser psicoterapeuta corporal…

* Palestra de Abertura do V Encontro Paranaense e II Congresso Brasileiro de Psicoterapias Corporais /Curitiba, 2000.

**Por Adriana Dal-Ri

Ser psicoterapeuta corporal é ser, antes de tudo, uma pessoa que vive, ama, experiência, pulsa, sofre, passa por transformações tem limitações… Ser psicoterapeuta corporal é estar em contato com um corpo que é vivo, vibrante, pulsante, que tem uma história, tem marcas, tem perguntas. Corpo que pode criar novas formas para si mover-se, pulsar, cantar, rir e chorar, sentir, pensar, ser solidário, compartilhar, expressar-se e amar!

Acredito que o mais importante para ser Psicoterapeuta Corporal é ter a consciência de si, é saber das próprias feridas. Na mitologia, temos o mito de Chiron – o médico divino e ferido – que apesar de ser um deus que cura, sofre uma ferida incurável. Este mito nos remete a nossa verdade e não a uma imagem idealizada de psicoterapeuta sadio, neutro, superior, inatingível, todo poderoso, forte e capaz.

Quando atendemos o paciente, o que existe é uma interação energética, uma interação de dois sistemas psíquicos, dois inconscientes, transferência e contratransferência, duas histórias, dois corpos com marcas, etc. Por isso é real que o psicoterapeuta se sinta afetado pelo paciente: ele só vai curar na medida de seu próprio ferimento – esse é o significado do mito do médico ferido. O psicoterapeuta que está consciente de sua própria ferida é mais sensível para perceber as feridas do paciente. O psicoterapeuta que funcionar com sua parte inconsciente ou não vivida, inevitavelmente sabotará ou dificultará o crescimento e a individualidade do paciente.É um processo de transformação mútua onde o psicoterapeuta a partir de seu eixo, força interior e fé no processo irão encorajar o paciente a contatar, sentir e expressar sua força interior. Juntos, vão buscar mobilizar, cada um em si, o curador interno.Ser Psicoterapeuta Corporal é ter humildade de reconhecer em si a necessidade de estar constantemente investindo em si mesmo, de forma pessoal, corporal, emocional e profissional.Ø Pessoal = vivendo intensamente sua vidaØ Corporal = experimentando-se no corpo, sabendo como administrar-se, gerenciar-se, contrair, expandir, alongar, respirar, vibrar.

Ø Emocional = estando em contato com as emoções expressa-las, conte-las, saber de sua intensidade, aprender ser assertivo, amoroso, como pôr limites, ser firme, saber seus limites, saber como estar disponível afetivamente…

Ø Profissional = estudar muito, se especializar, se aprimorar (ter a consciência de que a formação dura uma vida toda e mesmo assim, nunca estaremos prontos), trocar idéias com outros profissionais (da mesma área e de outras), saber que sua linha de trabalho não é a única e a melhor, fazer psicoterapia sempre, fazer supervisão sempre.

* Palestra de Abertura do V Encontro Paranaense e II Congresso Brasileiro de Psicoterapias Corporais /Curitiba, 2000.

**Adriana Dal-Ri

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: